quarta-feira, 12 de novembro de 2008

PENSANDO O AMOR.




Começo a escrever lembrando que o amor não é para ser pensado. O amor é para ser vivenciado. Uma experiência que justifica a existência.
Porém há amores e amores. É sobre isso que penso e escrevo nessa manhã de domingo.
Não preciso pesquisar para saber que há amores que edificam os amantes e amores que os destroem.
Quando amo desejo o melhor para o amado e nisso não há altruísmo é conseqüência natural do sentimento. É bom que deixe claro que não falo do amor idealizado.
Não sou tão elevada a ponto de não sentir ciúme e de abrir mão facilmente do desejo de ser amada para que o outro busque outra pessoa para amar.
Se amo e me sinto feliz, naturalmente pretendo continuar assim e me ressinto se o ser amado não está inteiramente comigo.
Mas, sei desistir: “se você não mais me ama, pode seguir". Eu vou chorar, espernear, porém me refaço e sigo em outra direção. Pode levar um tempo, como na letra de Lulu Santos, mas um dia deixa de “ferir por dentro”.
Enquanto isso razão e emoção brigam dentro de mim causando um maremoto. Ansiedades, tensões, depressão, ousadias, desvarios, medos e desejos convivem por longo período.
Porém um dia o mar interior acalma-se.É quando reflito sobre o amor que constrói e o amor que destrói.
O amor construtivo permite o crescimento do outro, respeita as suas limitações, alimenta a relação, protege o ser amado.
O amor que destrói, se é que se pode chamar de amor tal sentimento, é competitivo, relapso e controlador.
Há quem pense amar aquele que lhe ofereça alguma vantagem (não necessariamente material) e ao mesmo tempo o faça sentir-se poderoso na relação. Se o esquema deixa de funcionar passa-se a usar armas contra quem se diz amar.
Eu não sei como você ama, mas sei como eu amo. Quando amo sou generosa, leal, afetuosa e ardente. Sou também exigente quanto à reciprocidade desse amor.
Não gosto de amores platônicos. Não sei amar assim; mas há quem saiba. Não gosto de amores baseados em mentiras: há quem se alimente disso. Sou exigente quanto ao contato físico, não aprendi amar sem praticar o amor; há quem se satisfaça sem o encontro de corpos: eu (ainda) não.
O amor no qual acredito é o amor integral dentro dos limites humanos. O amor que faz com que eu guarde pequenas lembranças que simbolizam o crescimento do homem amado. O amor que deixa um gosto bom na boca e que me orgulhe de ter vivido ao final, porque o amor pode acabar, mas se foi amor verdadeiro não deixa amargo, no dia seguinte, o paladar.

2 comentários:

Celamar Maione disse...

É amiga,
É a nossa eterna briga entre razão e emoção.
É uma luta interior que me desgasta, por isso,que ás vezes, prefiro não AMAR. Corro ( rs).
Mas no fim, como dizia Pessoa : " Tudo vale a pena quando a alma não é pequena."
Gostei muito de tudo que escreveu.
Vou refletir sobre.
Grande beijos e melhoras.

Evelyne Furtado disse...

A luta entre a razão e a emoção talvez nos desgaste mais, Cel. Eu sei do que você fala, as relações são complicadas atualmente, mas vale à pena tentar.
Beijos, amiga e boa sorte!