segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Correrei com os Lobos.




O luar incidiu sobre mim levantando fragmentos de um passado recente. A lua tal qual uma sonda perscrutou minha mente e me tirou o sono.

Refleti, inquietei-me, arrependi-me. Fui algoz de mim mesma e nas poucas horas de sono tive pesadelos.

Todavia, não há volta. A pedra atirada não retorna com a força do pensamento. Pensar trouxe-me sofrimento e a tentativa de retomar o controle de minhas ações, por meio de uma camisa de força que torce meu corpo em tensões.

Talvez tenha amadurecido em uma noite. Pode ser que eu consiga manter as rédeas de um coração louco que vence a razão quando solto sem que tenha de privá-lo do bom viver.

Porém, não desejo a dor que a perfuratriz lunar me causou. Que graça tem a vida levada tão a sério? Quero o amadurecimento tranqüilo e sem aflições.

A noite foi de açoites e deles posso tirar proveito, mas declino da força que me poda a emoção de viver.

Pretendo correr com os lobos como corriam as mulheres de outrora, antes de serem castradas por séculos de opressões, como já quis um dia.

Resgatarei a força da mulher selvagem, pois dela preciso para viver em harmonia.

Debruçar-me-ei novamente sobre Mulheres que Correm com os Lobos, livro da psicanalista junguiana Clarissa Pinkolás Estés como auxilio terapêutico nesse novo despertar.

Há alguns anos atrás li e senti a centelha desse poder feminino, quero agora me aprofundar mais um pouco.Sem pretensão de desvendar os arquétipos junguianos da obra citada, deixarei guiar-me tão somente pela sensibilidade e conscientização de tal poder.

Quem sabe resgatarei a sabedoria do mito da “mulher-esqueleto”, aquele que ensina que “precisamos encarar e desenvolver um relacionamento com a natureza da vida-morte-vida. Quando temos esse tipo de relacionamento não saímos mais por aí à caça de fantasias, mas nos tornamos conhecedores das mortes necessárias e nascimentos surpreendentes que criam o verdadeiro relacionamento", como ensina a autora.

Terminarei de dançar com a chuva e tentarei mais uma vez correr livremente com os lobos nos próximos luares.

Evelyne Furtado em 19 de outubro de 2008.

Imagem da Web.

3 comentários:

AnadoCastelo disse...

Espero que esse turbilhão de emoções esteja mais calmo e sereno. Os pesadelos não passaram disso mesmo, portanto força querida.
Beijinhos

Evelyne Furtado disse...

Estão sob controle, fique tranquila, Ana! Beijos!

Analú disse...

Evelyne! :)
Já que vc quer se aprofundar no estudo de Mulheres que Correm com os Lobos, visite meu blog! Lá faço um workshop virtual sobre esse livro! Estude conosco, pense, deixe seus comentários e depoimentos! Será muito enriquecedor pra todas nós!
Beeeijos!!!!
Analú
www.globoonliners.com.br Reencontrando sua Alma
Ana Lucia Sorrentino Garé