quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Através da Janela


E na pausa que se fez
Debruçou-se na janela
Revendo nas calçadas da vida
Seus ex-amores passando
Poucos, mas verdadeiros,
Pois seus olhos já distinguiam
O que foi amor, paixão
Ilusões ou afetuosas fantasias.
Amanhã voltará ao posto
Para dessa vez mirar
O outro lado da rua

2 comentários:

Celamar Maione disse...

Evelyne
Que sejam poucos os amores,mas, verdadeiros.
Como sempre inspirada e romântica.
Grande beijo

Evelyne Furtado disse...

Oi, Cel!
E insistente (risos). Amor verdadeiro é o que tem de melhor, não é?
Obrigada, amiga. Desejo um amor especial e verdadeiro para você.
Beijão