quinta-feira, 24 de julho de 2008

Última Romântica?


É Marília, talvez eu seja uma das últimas românticas. A Lulu Santos de saias do Recanto da Letras. Se bem que vejo muitas outras por aqui.
Eu não quero brigar pelo título, mas aviso que obtive do especialista o seguinte prognóstico: “Evelyne, seu caso é irrecuperável". Bem melhor do que outras sentenças médicas, mas ainda preocupante. Pelo menos não se morre disso, apesar de comermos o pão que o diabo amassou às vezes.
O mais engraçado é que demorei a expressar esse romantismo excessivo por muito tempo. Eu vivia romanticamente e nem me dava conta disso.
Na adolescência, por exemplo, achava que era a tigresa de unhas negras e íris cor de mel de Caetano, quando na verdade era quase uma Mulher de Atenas. Teimosa, rebelde, mas também meiguinha, rs. A sedutora escondia a fragilidade da menina que viveu um romance duradouro e monogâmico, dos 16 aos 35 anos.
Quando saí do casulo, fui exercendo outras mulheres em mim e sem mais nem menos virei essa romântica incurável. Chorando os amores que iam e os transformando em amizades quando a dor passava.
Estou deixando escoar. Vou deixar essa personagem de Jane Austen com fortes traços das mulheres de Almodóvar sair de mim até estancar.
O sinal verde virá. Com sua torcida e a de Zélia tenho esperança. Também vou mirar nos escritos de vocês duas, das Marias: Paula e Olímpia, das Ângelas, da Malu, da Mônica, da Milla, da Rosa e dos muitos poetas que admiro e sei que fazem parte da torcida.
Sem esquecer do Eremita, do The Rain Song, de Rai, do Manuel, do Leo, do Antonio Ladeira, do Silvanio, do José Lindomar e de tantos queridos que posso está esquecendo, pois nós românticos moramos na lua.
Ak, meu Deus esqueci da Sandra de Recife que escreve muito. E do Cleber, de quem acabei de ler um texto bárbaro.Nena, eu leio todas as suas crônicas, viu?

4 comentários:

AnadoCastelo disse...

O ser romântica não faz mal nenhum, minha querida. Não souberam foi apreciar esse seu romantismo. Bola para a frente que atrás vem gente. Além disso, todas essas mudanças de mulher são normais faz parte da vida. E daqui mais uns aninhos e começa outra vez as coisas de maneira diferente. É o processo de nossa transformação, e ainda bem, ora já viu se ficássemos na mesma? Seria uma chatice.
Beijinhos e boa Semana

AnadoCastelo disse...

Falta uma palavra nuam das frases e se eu não puser aqui não faz sentido. É assim: "E daqui mais uns aninhos e começa, outra vez, a ver as coisas de maneira diferente"

Anônimo disse...

Veca vc deve ter visto a série de Pride& Prejudice muito melhor que o filme! e se nao viu recomendo veementemente! nao pode perder Colin Firth!

beijo!..sempre tao bom passar por aqui!

Laura

Evelyne Frtado disse...

Não vi, mas com essa recomendação vou ver sim.
Fico feliz quando você traz essa energia boa aqui.
Beijos e bom domingo, minha amiga.