segunda-feira, 28 de julho de 2008

Fullgás

Versos de uma canção popular podem nos acompanhar por toda vida. Meus ouvidos foram seduzidos por Fullgás, na voz rouca de Marina Lima, na adolescência, canto até hoje a música que tem letra do poeta Antonio Cícero, seu irmão.
A princípio pode parecer contraditório, pois temo a fugacidade da melhores coisas da vida. Principalmente da própria vida.
Mas não é esse o sentido que os compositores dão a "Fullgás”.
É só observar o título da música. Um trocadilho traz a primeira sílaba da palavra com dois eles: full, que em inglês significa completo, cheio, total. Subvertendo toda compreensão aparente.
Para quem não lembra a música começa assim:

“Meu mundo você é quem faz”.
Música, letra e dança.
Tudo em você é fullgás
Tudo você é quem lança
Lança mais e mais... ““.

Adoro a música e seus versos. Cantava sem dar muita atenção à letra, depois fui aos poucos ficando mais atenta ao que ouvia e repetia.
A composição tem versos sem complexidade, mas não bobos. Traz um romantismo pop e gostoso, porém um dos seus versos resume uma dos meus mais sagrados desejos; o desejo que expressa a minha carência e a qualidade do meu amor. O desejo que me move. O desejo de amar e ser amada. Expressa ainda a fantasia de que o amor pode tudo.
Não sei se um poeta como Antonio Cícero levou tão a sério quando escreveu, como eu ao ouvir ou cantar o meu verso preferido, todavia é sempre com esperança que repito “você me abre os seus braços e a gente faz um país".

2 comentários:

Henrique disse...

engraçado, eu posso dizer que foi nessa época mesmo que voce escreveu isso que eu descobri essa música. Acontece que essa música de tanto tocar virou um clichê e pouco dei atenção a ela. Quando a escutei vi como é bela e justamente os versos que voce destacou me caíram muito bem.

Evelyne Furtado disse...

Henrique, eu sempre gostei das letras de Antonio Cícero na voz de Marina e esses versos, em especial, ainda me caem bem.
Grata.