quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Sem Título.

Não precisava ter ido.
Não precisava ter repetido.
Não precisava gostar.
Não precisava ser dito.
Não precisava ter lido.
Não precisava esperar.
Não precisava de tanto, se merecia tão mais.

2 comentários:

AnadoCastelo disse...

Pequeno poema, mas que diz tanto. Gostei.
Beijinhos

Evelyne Furtado disse...

Oi, Ana!
Bom lhe ver por aqui.
Obrigada e beijos.