sábado, 3 de novembro de 2007

A Caminho do Mar.


Desaguei
A caminho do mar.
Todo pranto contido
Rompeu-se a caminho do mar.
Testemunha de vida
E de amor
O mar também acolhe
Toda dor.
Enquanto vejo as espumas lambendo a areia
E o cinza escuro da noite sem lua
Nas cores das águas do mar
O belo me arranca lágrimas
Mas também devolve a vontade de viver
E de amar.


Evelyne Furtado

4 comentários:

Berta Helena disse...

Evelyne,

O mar é fascínio, é paixão.

Beijinhos.

Capitão-Mor disse...

Eu nunca consiguiria viver longe do mar que desde sempre foi o meu porto de abrigo de fases mais conturbadas.
A Ladeira do Sol, proporciona uma das melhores vistas aqui da cidade...

Evelyne Furtado disse...

Betrha, obrigada pela visita. Sou fascinada pelo mar, também.
Bjs

Evelyne Furtado disse...

Capitão-mor

Como você, adoro morar perto do mar e nunca estive por muito tempo longe.
Obrigada pelo comentário. Volte, viu?
Bjs